Foto: Nielson Santos / Arquivo PMCG

O dia 19 de janeiro ficará marcado na história de Chã Grande. Nesta data, em 2021, o município recebeu a primeira remessa de vacinas contra a Covid-19, começando então a imunização. Naquele momento, o alvo da campanha foi imunizar os profissionais de saúde que trabalham diretamente na linha de frente. Em seguida, outros profissionais da área de saúde e os idosos também começaram a receber a dose de esperança com a chegada de mais vacinas.

Ao longo dos meses, mais pessoas foram atendidas pela campanha de imunização no município, que promoveu mutirões para atingir um público ainda maior. Segundo os dados da Secretaria de Saúde, mais de 70% da população chã-grandense tomou a primeira dose do imunizante até esta terça-feira (18), com o balanço mais atualizado.

Essa porcentagem representa um total de 15.815 doses aplicadas, com quatro tipos de imunizantes: AstraZeneca, CoronaVac, Pfizer e Janssen. Já na segunda dose, o total de aplicações foi de 12.963, ou 59,11% da população local. A dose de reforço, necessária para todos acima de 18 anos, segundo o Ministério da Saúde, foi aplicada em 2.549 pessoas, totalizando 11,62%.

No primeiro dia de aplicação, a Secretaria de Saúde aplicou duas vacinas CoronaVac, sendo a enfermeira Aparecida Gomes e a técnica de enfermagem Janaína Dias as escolhidas para representar o início da campanha. E a escolha teve um sentido: Aparecida foi a primeira pessoa de Chã Grande a testar positivo para a Covid-19, em abril de 2020. Já Janaína foi a única da equipe do SAMU do município a não testar positivo para a doença.

E um ano depois desse momento histórico, Chã Grande iniciou a vacinação de crianças de 05 a 11 anos, de acordo com o Plano Nacional de Imunização (PNI), do Ministério da Saúde. As primeiras doses foram aplicadas nesta terça, atendendo ao pequeno José Vinícius, de seis anos, e Jardiane Dayara.

“A partir do momento que pudemos contar com a vacina em todo o mundo, nós tivemos ainda mais esperança de que venceríamos essa batalha contra a Covid-19. E o avanço da vacinação mostrou isso, com redução nas internações na medida que as pessoas eram contempladas com a aplicação do imunizante”.

Destacou o prefeito Diogo Alexandre.

“A luta ainda continua. Precisamos aumentar os números da imunização”.

Reforçou o gestor.